SEMANA CULTURAL 2017 OS LIVROS PRECISAM DE NÓS

UATIP

 “(…) quando uma escola também é casa, ajuda-nos a ter centro, transformando-se num abrigo onde podemos conceber utopias.”

26 de Junho a 8 de Julho de 2017

Em 2006, ao celebrar quinze anos de existência, a UATIP organizou a sua primeira semana cultural, convertendo-se esse evento num momento fundamental da vida da associação, em que a comunidade de alunos, funcionários, professores e convidados aprofunda a reflexão sobre um tema comum.

A Jornada Cultural da UATIP proposta para 2017 constrói-se a partir da afirmação “Os livros precisam de nós” já que sem o nosso interesse e sem a nossa curiosidade deixarão de ser manuseados, lidos, partilhados e comentados. Para os salvar só há uma possibilidade: dedicar-lhes o nosso tempo.

Neste ano lectivo, a UATIP criou o curso de História do Livro e da Leitura e tem estabelecido relação com espaços que estão a reavivar o prazer da leitura e a partilha do gosto pela mesma.

Por sua vez, a era “biblioclasta” em que parecemos viver suscita-nos uma reflexão sobre o Hoje.

À semelhança do que aconteceu em anos anteriores, identificamos áreas de intervenção, simultaneamente independentes e articuladas, que designamos por: Pensar no Tempo do Não Pensamento; As Hortas Familiares; Bendito o que Semeia Livros; A Sociedade Secreta da Língua Portuguesa; O Futuro na Raiz.

TEMAS

PENSAR NO TEMPO DO NÃO PENSAMENTO

O simples facto de pensar é político. Daí a luta insidiosa, e por isso mais eficaz, conduzida actualmente, como nunca, contra o pensamento. Contra a capacidade de pensar. V. Forrester.

Como actividade paralela à carreira de “A vida de Galileu”, Rui Pereira apresentou a comunicação Pensar e Impensar – Glosas sobre o pensamento em tempos de não-pensamento”. Relançamos a questão através de um ciclo de comunicações sobre este tema.

BENDITO O QUE SEMEIA LIVROS

Oh! Bendito o que semeia/Livros à mão cheia/E manda o povo pensar!
O livro, caindo n’alma/É germe – que faz a palma,/É chuva – que faz o mar!
Castro Alves.

Livros de G. Steiner, A. Manguel, E. Morin, H. Arendt, R. Scruton ou E. Lourenço, entre muitos outros, têm sido “semeados” na UATIP. Iremos, este ano, procurar tomar contacto com formas distintas de “semear” livros.

AS HORTAS FAMILIARES

Era um burgo pobre, sujo, reles até – mas gostaria tanto de lhe pôr um diadema na cabeça. Eugénio de Andrade.

O tema Hortas familiares surge da necessidade de nos alimentarmos do que cultivamos, daquilo que vemos crescer, do que vem do nosso terroir. Defendemos que o esquecimento dos “nossos” escritores pode ser uma forma de destruição de património tão grave e até, provavelmente, tão definitiva como aquela que faz implodir rastos arqueológicos. Ainda assim, a razão principal que nos leva a celebrar o património literário portuense é porque este é um “ser” vivo, fértil e generoso.

A SOCIEDADE SECRETA DA LÍNGUA PORTUGUESA

     “Interessa-nos primacialmente(…) esta possibilidade de encarar cada língua como constituindo um sistema semiótico de compreensão do mundo, como um ato de liberdade que é condição de sobrevivência dos povos, sendo plausível que se tivermos mil modos diferentes de  compreensão do mundo isso enriquecerá as possibilidades de existência humana na sua aventura histórica”  Pedro Calafate

A actual uniformização linguística não só não é questionada como parece ser amplamente promovida por cientistas, artistas e académicos. Propomos então contrariar a “desvalorização” da língua portuguesa nos “locais” aonde se poderia reinventar, como é o caso de teses académicas, congressos ou espectáculos de teatro ou de música.

O FUTURO NA RAIZ

 “A tragédia é que as pessoas perderam o hábito de herdar, logo perderam o hábito de transmitir. Mas nem todas”. Roger Scruton

Neste item iremos procurar começar a conhecer aqueles que na nossa “casa” e na nossa vizinhança estão a construir o futuro sem se desligarem da sua identidade.

PROGRAMA COMPLETO (ver no site).

PROGRAMA COMPLETO EM PDF (para imprimir).

Teatro e Poesia

12241727_926594934078619_7811555326443173028_nDesde sempre, as mais variadas formas de expressão artística funcionaram como um veículo de transmissão de ideias e sensibilidades, reflexos da vida sob as mais diversas perspectivas.

Assim acontece com o Teatro e a Poesia, duas áreas que se complementam.

Se o Teatro promove o encontro de pessoas, funcionando como um pólo aglutinador de troca de ideias e experiências numa perspectiva multilateral, a poesia revela-se a expressão máxima do sentir, ideias, receios e desejos do “eu”, atingindo, paradoxalmente, uma dimensão universal.

Numa perspectiva geral, o que se pretenderá com as aulas de Teatro e Poesia será atingir a conjugação do espírito e trabalho de grupo com a consciencialização e valorização do indivíduo.

Mais concretamente, são objectivos desta disciplina:

  • a descoberta e consciencialização do corpo e da voz;

  • estimulação da capacidade de observação, improvisação e criatividade;

  • utilização do “jogo” como meio de sociabilização e de auto e inter-conhecimento;

  • a troca de conhecimento e de experiências.

A descoberta em conjunto do texto e da palavra como algo vivo, susceptível de ser trabalhado do ponto de vista teatral, tornando-o “nosso” para depois partilhá-lo, será o culminar de todos os objectivos referidos anteriormente.

Trabalho a desenvolver na disciplina de Teatro e Poesia, durante o ano lectivo de 2016/2017:

  •  1º período (Outubro, Dezembro 2016):

Apresentação pública em Dezembro 2016:

Escolho o livro, leio-te o poema

Tendo como base o tema de trabalho definido pela UATIP este ano, O Livro e a Leitura, aos alunos desta disciplina é lançado o desafio de escolherem poemas de autores lusófonos, a partir de um dos seus livros favoritos, que tenham em casa. A partilha em público será feita através da leitura pública desses poemas a partir do próprio livro escolhido.

 

  • 2º e 3º períodos (Janeiro, Julho 2017):

Apresentação pública em Junho 2017:

Poemário: Leio um poema por cada mês do ano passado na UATIP

Durante o 2º e 3º períodos os alunos constroem, em conjunto, um poemário, uma resenha de poemas de autores lusófonos: um poema por cada mês de aulas do ano lectivo na UATIP.

É disponibilizado um exemplar para consulta da comunidade escolar no final do ano lectivo.

Os poemas que compõem o poemário são apresentados em leitura, na apresentação pública, no final do ano lectivo.

Apresentação pública em Julho 2017:

Semana Cultural O Livro e a Leitura:

Um só Livro, vários poemas

É escolhido, em conjunto, um único livro de poesia com os alunos. Desse livro, cada aluno escolherá o “seu” poema, que partilhará através da leitura pública nesta apresentação.

Ana Paiva

 

História do Cristianismo

cueva-de-las-manosEste ano, na UATIP, leccionado pelo Professor José Manuel Cerqueira, surge o curso de História do Cristianismo.

História do Cristianismo. Duas palavras importantes na definição da(s) nossa(s) identidade(s). “História”, porque nada existe sem uma ou várias historias que se acumulam, diversificam, se sobrepõem e muitas vezes entram em conflito. “Do Cristianismo”, porque a ele, com todas as suas Histórias devemos um pouco da nossa forma de ser. Nem que seja apenas para nos afastarmos. Desconhece-lo é conhece-lo melhor? Estudá-lo é encontrarmo-nos com os nossos segredos e com as nossas dúvidas mais profundas? Afastados vemos melhor a sua paisagem? Vê-lo mais de perto será vermos o nosso próprio rosto? Será contemplar a nossa identidade pessoal, privada e intima? Será entender porquê que é que amamos a comunidade humana, apesar dela nos desafiar constantemente? Uma História de um Cristianismo que é muitos Cristianismos e de um Cristo que é muitos Cristos desde o primeiro momento. Um Cristianismo com muitas Histórias que nos ajudam – ou não – a nos situarmos – ou não… Andaremos à procura de nós mesmos nesta “História”?

Informática, vários níveis

informatica-curso

Os vários níveis de Informática, leccionados pelo Professor Luís Almeida apresentam os seguintes conteúdos programáticos:

  • Iniciação à informática – Informática – nível 1

 O objectivo da disciplina é a aquisição de conhecimentos nos domínios das principais funções e conceitos da informática.

– Ficar a conhecer a estrutura básica do computador.

– Aprender a utilizar os recursos básicos do sistema operativo Windows 10.

– Começar a utilizar alguns recursos disponíveis através da Internet:

– Aprender a navegar na web.

– Criar e aprender a utilizar o correio electrónico.

No final do ano lectivo, o aluno estará apto:

– A utilizar os principais recursos do sistema operativo, como organizar ficheiros e pastas, jogar, escrever um texto, utilizar uma calculadora ou calendário, etc.

– Navegar, consultar ou fazer pesquisas na web e utilizar o correio electrónico.

  • Outros programas, mais possibilidades – Informática – nível 2

 O objectivo da disciplina é a aquisição de conhecimentos em programas externos ao sistema operativo Windows 10, compreender que a determinado comando corresponde uma mesma acção em diferentes programas, com especial enfoque nos seguintes programas do pacote Microsoft Office 2010.

– Microsoft Office Word – escrever, editar e formatar textos com imagens e gráficos.

– Microsoft Office PowerPoint – criar apresentações com textos, gráficos, imagens e música.

– Microsoft Office Excel – fazer cálculos automaticamente.

No final do ano lectivo, o aluno estará apto:

A utilizar programas específicos para o processamento de texto, criação de tabelas e gráficos, criação de apresentações, além de um melhor aproveitamento dos recursos disponibilizados pela Internet.

  • A Internet, espaço de comunicação e serviços – Informática – nível 3

(esta disciplina tem como pré-requisitos conhecimentos básicos de informática e alguma experiência de utilização de computadores)

O objectivo da disciplina é dar a conhecer e ensinar a utilizar, recursos disponíveis na, e, através da web que permitem um maior aproveitamento do computador, proporcionando maiores possibilidades de comunicação, conhecimento, criação e entretenimento.

No final do ano lectivo, o aluno terá os conhecimentos necessários para, por exemplo:

– Aceder e utilizar os portais da administração pública (Finanças, Saúde, Registos, etc.)

– Encontrar os sítios institucionais e utilizar os recursos disponíveis.

– Utilizar “on-line”, gratuitamente, programas para fins específicos, como editar textos, imagens ou outros.

– Fazer o registo junto de uma comunidade (como o Facebook) ou sítio na web e ficar a conhecer as vantagens e cuidados a ter.

– Criar um espaço próprio na web (blogue ou sítio) e usufruir do que lhe é disponibilizado pelos outros internautas.

  • A Internet, um manancial de recursos – Informática nível – 4

(esta disciplina tem como pré-requisitos conhecimentos básicos de informática e alguma experiência de utilização de computadores)

 O objectivo da disciplina é dar a conhecer e ensinar a utilizar, recursos disponíveis na, e, através da web que permitem um maior aproveitamento do computador, proporcionando maiores possibilidades de conhecimento, comunicação, criação e entretenimento.

No final do ano lectivo, o aluno terá os conhecimentos necessários para, por exemplo:

– Descarregar (fazer Download) de programas, músicas, livros, revistas e até filmes, livres de direitos.

– Descarregar (fazer Download) de programas, fontes, cliparts, imagens, apresentações e até vídeos do Youtube.

– Instalar no seu computador e utilizar o material descarregado.

– Utilizar “on-line”, gratuitamente, programas para fins específicos, como converter formatos de ficheiros ou limpar o computador.

– Encontrar os sítios institucionais e utilizar os recursos disponíveis.

– Descobrir sítios especializados em diferentes matérias e aproveitar os recursos disponibilizados.

Actualidade, Experiência e Pensamento

Este arui_pereirano surge um novo curso, orientado pelo professor Rui Pereira.

Define-se com frequência o nosso tempo, em polaridades opostas, como o tempo da “sociedade do conhecimento”, mas também como tempo/sociedade do “pensamento único”.  Será, no entanto, que uma acumulação vertiginosa sem precedentes de informação, como a que hoje se vive, corresponde a um incremento do conhecimento? Que relação mantemos com a reflexão, os sentimentos e as emoções num tempo em que as percepções parecem industrialmente mediadas pelos dispositivos tecnológicos de comunicação para grandes massas? De que ordem é, hoje em dia, a nossa relação com a opinião e a argumentação, com o pensamento autodeterminado e crítico e com o pensamento heterodeterminado, dito “correcto? Como convivem as noções aparentemente opostas de sociedade e comunidade? Que usos fazemos das liberdades que temos? Que regimes para o sentir e para o pensar?

História do Amor e da Amizade

 

camille-claudel-valseEste ano surge, leccionado pelo Professor Zeferino Mota, um novo curso, História do Amor e da Amizade.

Numa altura em que o fundamentalismo religioso e o nacionalismo xenófobo procuram instalar o ódio numa Europa vazia de rumo e de identidade, estudaremos a História do Amor e da Amizade, na forma como foram sendo concebidos, no Ocidente, nestes últimos três mil anos. Partindo das grandes obras que foram marcos dessa construção, desde as Escrituras Hebraicas e O Banquete à Metafísica do Amor e À Procura do Tempo Perdido, passando pela Arte de Amar e Os Hinos à Noite, entre outros, o curso alterna aulas de contacto com esses textos e outros de natureza sistematizadora.   Entre os autores que serviram à pesquisa para este curso, destaca-se Simon May. (Zeferino Mota)

Botânica

 

936554_1142964479048078_5290849674343451748_n

O curso de Botânica, leccionado pelo Professor Luís Xavier, terá este ano, à semelhança do ano anterior,  saídas regulares, num calendário a ser apresentado pelo professor no primeiro dia de aulas de cada trimestre.

Os Conteúdos programáticos são divididos em três grandes grupos:

  • As plantas como objeto de estudo científico

Conhecer os aspetos anatómicos e fisiológicos das plantas de forma a permitir um maior conhecimento do crescimento e desenvolvimento destes seres vivos não esquecendo as relações de parentesco entre si e com os restantes seres vivos.

  • A botânica e a arte

Apresentação e relacionamento da botânica com a literatura, cinema, pintura, escultura, moda entre outras manifestações artísticas e culturais do Homem ao longo dos tempos.

  • A botânica e a sociedade

Estudo das relações entre o Homem e as plantas expressas nas hortas, jardins e parques ou como elemento simbólico capaz de ser portador de uma mensagem com uma função social.

Ciência da Nutrição

O curdieta-detoxso de ciências da Nutrição, orientado pela professora Carla Vasconcelos, apresenta o seguinte conteúdo programático.

1. Combustíveis energéticos para o organismo humano

2. Formas de adoçar

3. Alimentos semelhantes. Quais as diferenças? (P.e., manteiga vs margarina, óleos alimentares vs óleos de girassol/ soja/ milho/ amendoim)

4. Alguns regimes alimentares:

– Ovolactovegetariano

– Vegan

– Macrobiótico

– Crudívoro

– Mediterrâneo

5. Dietas alcalinas

6. Dietas Detox

7. Dietas sem glúten

8. Novidades na área da Nutrição

Cerâmica

ceramicaO curso de Cerâmica, leccionado pelo Professor João Paulo Costa tem como objectivo essencial, a aprendizagem das técnicas de cerâmica e o desenvolvimento da expressão artística pessoal através da prática da cerâmica criativa. Será uma aprendizagem prática, mas que também integra a consulta a livros e revistas de cerâmica artística, disponibilizadas pela UATIP.

As alunas e os alunos a frequentar pela primeira vez esta disciplina e sem experiência prévia nesta área, serão iniciados nas técnicas de cerâmica através de exercícios elementares acompanhados das explicações teóricas que se justifiquem.

Uma História do Livro e da Leitura

 

el-lector-ferdinand-heilbuthSurge este ano o curso de História do Livro e da leitura, orientado pelo Professor Zeferino Mota.

A História do livro e da leitura é uma “viagem” destinada especialmente àqueles que têm feito da leitura uma presença constante na sua vida e pela qual sentem uma relação vibrante e apaixonada. É destinada também àqueles que não sendo leitores procuram descobrir os seus mistérios. O curso preparado após uma cuidadosa investigação passa não só pelo estudo de grandes obras sobre o tema como visa ser um espaço de partilha.